Vamos causar polêmica: A Lei da Palmada


Eu resisti um pouco pra falar sobre esse assunto por que sempre gera muita
polêmica. Tem aqueles que são a favor das famosas “palmadas pedagógicas” e tem
aqueles que são terminantemente contra. Então, antes de me posicionar, vou explicar o
que ela muda nas vidas das famílias em geral.

A lei apelidada de Menino Bernardo (por causa do menino gaúcho que foi
assassinado) altera o texto do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) colocando
que “os menores de 18 anos tem direito a serem criados e educados sem o uso de
castigo físico ou tratamento cruel ou degradante como forma de correção ou disciplina”
e mais a frente ele descreve o que são considerados castigos físicos e tratamento cruel
ou degradante.

Essa lei veio complementar o ECA na proteção de crianças e adolescentes. Já
que no Brasil, os índices de violência contra criança são considerados altos (os
registrados) pela UNICEF. Ela autoriza os profissionais que estão trabalhando com a
criança (médicos, professores, etc) a denunciar qualquer suspeita de violência, mesmo a
menor delas. Se comprovada a denuncia, os pais serão encaminhados a serviços de
orientação e serão acompanhados pelo Conselho tutelar.

O que muda então na postura do Estado? Ele começará a ficar de olho naqueles
casos que começaram com a palmada pedagógica e que poderiam progredir para algo
mais sério. Um outro motivo é: uma criança agredida tende a se tornar um adulto
agressivo, repetindo o padrão de comportamento.

Agora vamos à polêmica: eu não sou a favor das palmadas (apesar de ter levado
umas quando criança e nem por isso sou um monstro – frase muito dita por aqueles que
defendem a palmada). Minha mãe, assim como muitos da época dela, não conhecia
outra forma de disciplina, por isso repetiu em seus filhos o que funcionou com eles.
Eu acredito que uma educação baseada em regras claras e limites bem definidos,
além de uma rotina estabelecida são muito mais efetivos que palmadas. Tendo uma
rotina bem clara, regras claras e limites objetivos a criança reconhece as etapas e pode
saber o que vem depois.

Quando ocorre uma desobediência por parte da criança, a melhor maneira é
chamar sua atenção e explicar o porquê não pode e aplicar algum tipo de consequência
tipo não dar colo durante a birra, não dar o doce que ela quer por não ter feito o que foi
pedido, colocar pra pensar no cantinho do conselho (essa última funciona muito com
crianças pequenas).

Fácil falar, eu sou psicóloga, e quem disse que não sou humana? Também perco
a paciência com minha pequena, nessas horas normalmente o pai entra em cena pra me
dar uma ajuda, e as atitudes dele devem ser as mesmas, explicar calmamente a razão do
não e quais as consequências. E se ele ficar mais nervoso que você? Até isso acontecer,
tenho tempo para respirar um pouco e conseguir fazer o que for preciso.

Quanto tempo leva para trazer algum resultado? É aqui que está o
problema….não será na primeira tentativa que terá efeito. Deverá ser repetido muitas
vezes, até porque criança só aprende com a repetição. E é aqui que muitas mães falham,
por que se cansam, por que acham que não dará certo. Dá certo sim, o que é mais do que
necessário é paciência e uma postura firme e consistente o tempo todo. As crianças não
precisam temer pra respeitar. Além de ensinar que para tudo na vida há uma
consequência, não necessariamente violenta. Como disse antes, tendemos a repetir os
comportamentos daqueles que nos educam, se não queremos crianças agressivas, não
podemos ser agressivos. Outra dica que funciona é ignorar os comportamentos inadequados, tomando o
cuidado para a criança não se machucar e reforçando os bons comportamentos. Como
reforço cabe elogios, colo, carinho, brincadeiras, etc. Lembrem-se sempre: criança
aprende com exemplo e não com broncas, o ditado “faça o que digo, não faça o que
faço” não funciona.

Agora, mamães se vocês já perderam a paciência e deram uns tapinhas nos seus
filhos: eles não se tornarão assassinos ou serial killers por causa disso. Terão um pouco
de medo, dependendo dos tapas, mas se forem educados com respeito, com certeza
serão boas pessoas (salvo alguns casos que explico depois).
Sabem aquele slogan de uma famosa marca de produtos infantis, ele tem razão,
carinho inspira carinho, uma criança bem cuidada, que recebe carinho e atenção nos
momentos certos, cresce um adulto carinhoso.
Espero ter esclarecido algumas dúvidas.

Anúncios